Read, hack, repeat

Spotify quer monitorar voz dos usuários para oferecer 'conteúdos relevantes'

Guilherme Petry 0 min

Uma patente do Spotify que documenta uma tecnologia capaz de gravar e analisar a voz de usuários da plataforma, para otimizar o sistema de recomendação de conteúdos e anúncios, foi aprovada pelo escritório de Patentes e Marcas dos Estados Unidos. O pedido foi feito em fevereiro de 2018 e autorizado no mês passado.

O documento chamado “Identificação de atributos de gosto com base em um sinal de áudio”, descreve uma tecnologia de gravação e análise de “entonação, ênfase, ritmo e unidades de fala semelhantes" da voz do usuário do Spotify.

Essa tecnologia deve ser usada para otimizar o algoritmo de recomendação de músicas e podcasts (assim como o algorítimo que serve anúncios), já que a ferramenta utiliza os áudios dos usuários para projetar gostos musicais, além de estado emocional, sexo, idade, sotaque e até mesmo se o usuário está utilizando o Spotify sozinho ou acompanhado.

“Um sistema, método e produto de computador, fornecidos para processar sinais de áudio. Um sinal de áudio de voz e ruído de fundo é inserido e o reconhecimento de fala é executado para recuperar o conteúdo da voz”, escreve a patente, disponível no banco de patentes Justia.

Segundo o documento, o sistema de recomendação de conteúdos atual do Spotify funciona com base no registro de comportamento, mostrando ao usuário artistas relacionados aos que ele costuma ouvir. Mas, para os autores da patente, é necessária uma abordagem mais tecnológica para coletar informações de gostos e preferências mais assertivas.

“É necessária uma abordagem totalmente diferente para coletar atributos de gosto de um usuário, particularmente uma que esteja enraizada na tecnologia para que a atividade humana acima descrita (por exemplo, exigir que um usuário forneça dados) seja pelo menos parcialmente eliminada e realizada mais eficientemente”, diz documento assinado por Stephane Hulaud, ex gerente de produto do Spotify, atual gerente de produto do Google.

É importante lembrar que nem todas as tecnologias patenteadas pela indústria acabam instaladas em seus produtos finais. Principalmente no setor de software e tecnologia, onde muitas tecnologias são patenteadas, mas nem todas são de fato instaladas.

No entanto, o documento não estabelece roteiro de implementação da tecnologia em seus aplicativos e serviços, nem mesmo se vai pedir autorização dos usuários para começar a análise dos áudios. Sendo assim, com base no documento da patente, não há como saber se a empresa já está operando com a tecnologia, ou se é só uma ideia.


Fontes: Music Business Worldwide; Justia.

Compartilhar twitter/ facebook/ Copiar link
Você se inscreveu com sucesso no The Hack
Bem vindo de Volta!
Massa! Você se registrou com sucesso.
Sucess! Sua conta está completamente ativada.